An Angolan isolation centre for those repatriated lacks screening, space, and even toilet paper · Global Voices

An Angolan isolation centre for those repatriated lacks screening, space, and even toilet paper · Global Voices


Screengrab from a video of Angolans exposed to the open air – from Wilcker Cláudio’s profile (used with permission).

With seven confirmed cases (two deaths and one recovered) of COVID-19, Angola is among the more than 40 African countries which have already recorded the disease in their territories.

On March 18, the government set up an inter-ministerial commission to fight the spread of the pandemic in the country. The Health Ministry confirmed the first two COVID-19 cases on March 21.

Angola closed air, land and sea borders to the movement of people from midnight on March 20, but has been allowing some flights to transport Angolan citizens abroad back home.

The government established isolation centres on the outskirts of the capital Luanda to house repatriated Angolans. A flight from Lisbon brought about 200 passengers on March 21.

Passengers were not all treated equally, though, according to some accounts. One passenger, Célio Alberto, told the independent outlet Maka Angola that authorities had divided the passengers differently for the quarantine:

Sem sabermos quais foram os critérios de selecção, as autoridades escolheram os passageiros que foram para o hotel de cinco estrelas Vitória Garden e os que foram enviados para o Centro de Quarentena no Calumbo.

Without us knowing what the selection criteria were, the authorities chose the passengers who went to the five-star hotel Victoria Garden and those who were sent to the Quarantine Centre in Calumbo

Passengers destined for the Nova Esperança Centre for the Development of Children, in the Viana municipality, had to wait for over three hours on buses before they could enter the isolation centre.

Passengers taken to the Calumbo quarantine centre had a similar situation, having to sleep in the vehicle before going in. Maka Angola told the story:

Manuela Silva relata, indignada, a jornada do aeroporto ao local de quarentena, onde chegaram por volta das 22h00. “No trajecto, com sirenes e batedores, fomos apedrejados na via como assassinos, como estando a trazer o vírus para matar os angolanos”, denuncia.

(…)

Manuela Silva revela que só às 2h00 da madrugada chegaram alguns indivíduos não identificados, os quais deram início à montagem de camas individuais e beliches nos quartos do Centro de Desenvolvimento.

“Encontrámos os colchões ao relento, todos empoeirados e os quartos nunca antes habitados, em péssimas condições. As casas de banho nem sequer tinham papel higiénico”, revela a passageira.

“Uma médica que lá se encontrava de serviço disse-nos para irmos fazer as necessidades no capim. Nem nos permitiu perguntar-lhe como as mulheres o fariam no meio dos homens”, conta Manuela Silva.

“A TAAG ligou-nos porque havia um voo de emergência para transportar familiares de ministros e outros dirigentes e podíamos aproveitar. Ninguém nos informou de que ficaríamos sujeitos a estas condições degradantes. Muitos teriam preferido ficar em Lisboa”, lamenta Manuela Silva.

Manuela Silva recounts, indignantly, the journey from the airport to the quarantine site, where they arrived at around 10 p.m. “On the way, with sirens and escorts, the passenger claims to have had stones thrown at her on the way like murderers, as if she was bringing the virus to kill Angolans,” she says.

(…)

Manuela Silva reveals that it was not until 2 a.m. that some unidentified individuals arrived, who began to set up individual beds and bunk beds in the rooms of the Development Centre.

“We found the mattresses outdoors, all dusty and the rooms never before inhabited, in terrible condition. The bathrooms didn’t even have toilet paper,” the passenger says.  “A doctor on duty there told us to go and perform our needs in the grass. She didn’t even let us ask her how women would do it in the middle of men.”

“The [airline] TAAG called us because there was an emergency flight to transport family members of ministers and other leaders and that we could make use of it. Nobody informed us that we would be subjected to these degrading conditions. Many would have preferred to stay in Lisbon,” Manuela Silva says.

On the same day, another flight arrived from the city of Porto, the most affected by the new coronavirus in Portugal. According to Célio Alberto, also speaking to Maka Angola, there was no screening of passengers:

Misturaram-nos todos, os passageiros do Porto e de Lisboa. Não havia espaço nem condições para estarmos separados. Ficámos aglomerados e não havia quem nos desse informações nem estabelecesse quaisquer procedimentos de controlo. Mediram-nos apenas a temperatura à chegada, nada mais.

They mixed us all, the passengers from Porto and Lisbon. There was no room or facilities for us to be separated. We were crowded and there was nobody to give us information or establish any control procedures. They only measured our temperature on arrival, nothing more.

Family members of the internees are taking food to the quarantined passangers due to the state not providing sufficient food.

The case made the news in Mozambique. Screengrab of Telejornal, March 24.

After several criticisms in the press and on social media, the president’s chief of staff appointed General Pedro Sebastião, Minister of State and head of the president’s security, to coordinate the inter-ministerial commission for the Management of Measures Against the Spread of COVID-19, to ensure that passengers would be housed in better conditions:

Agradecemos a compreensão dos cidadãos pelos constrangimentos ocorridos. O Executivo está empenhado neste processo e tudo fará no sentido de salvaguardar a saúde pública e o bem maior, a vida de todos os angolanos.

We thank citizens for their understanding of the restraints that have arisen. The government is committed to this process and will do everything to safeguard public health and the greater good, the lives of all Angolans.

Meanwhile, university professor Gabriel Tchingandu wrote on Facebook that he perceived a lack of information in the media:

Sinto muita falta de informação sobre o COVID-19 em Angola. Se eu fosse director de uma rádio ou TV em Angola, suspendia toda a programação normal do órgão. Montaria uma tenda de repórteres na entrada do centro de quarentena Calumbo e outra na entrada do centro da Barra do Kwanza. Outra tropa de jornalistas diante das portas dos hospitais e clínicas assistindo casos.

Outra tenda de jornalistas ficava montada diante do quartel general da Comissão Inter-sectorial do Governo. No estúdio, os diferentes especialistas de saúde, comentadores e autoridades esgrimiriam argumentos com o foco virado para Angola.

Outros jornalistas em diferentes ruas das cidades fariam relatos de testemunhas com interesse no caso Covid-19. A cobertura de factos e ditos seria “no stop” em 24 horas. Os jornalistas nesta cobertura especial teriam seus salários duplicados.

Assim ajudaria a combater o coronavírus em Angola, aumentando igualmente a audiência da minha TV/rádio

I feel very much there is a lack of information about COVID-19 in Angola. If I was a radio or TV director in Angola, I would suspend all the agency’s normal programming. I would set up a reporters’ tent at the entrance of the Calumbo quarantine centre and another at the entrance of the Barra do Kwanza centre. Another troop of journalists outside the doors of hospitals and clinics watching out for cases.

Another tent for journalists would be set up in front of the headquarters of the government’s Inter-sectoral commission. In the studio, different health experts, commentators and authorities would debate arguments with the focus on Angola.

Other journalists in different streets of the cities would report stories relating to Covid-19. The coverage of facts and statements would be “non stop” across 24 hours. Journalists in this special coverage would have their salaries doubled.

This would help fight coronavirus in Angola, also increasing the audience of my TV/radio

Journalist André Mfumu Kivuandinga claims that the people in quarantine were without food and that they did not know where their luggage was:

Segundo denúncias acabadinhas de me serem feitas por um angolano, cujo nome irei omitir, que se encontra no Centro de Quarentena, em Calumbo, Viana, Luanda, desde às 1 horas da madrugada que comeram até agora estão sem alimentação, também não sabem o paradeiro das suas bagagens.

Até aqui nenhum responsável do Governo ou da comissão multissetorial os foi visitar, o cidadão em caso é hipertenso”.

According to complaints just made to me by an Angolan, whose name I will omit, who is in the Quarantine Centre in Calumbo, Viana, Luanda, from 1h00 up to now they have been without food, [and] also do not know the whereabouts of their luggage.

So far no government official or member of the multisectoral commission has visited them, the person in question has hypertension”

Carlos Pinho, a young political commentator, shared a video on Facebook about the indignation of passengers, still in the area of the Quatro de Fevereiro Airport.

“Incompetência gritante. Mas afinal quando teremos um governo a sério. É disto que eu falo: dignidade”.

“Glaring incompetence. But after all, when will we have a serious government. That’s what I’m talking about: dignity.”

After the decree of a state of emergency for fifteen days, another major problem that arose is the practicality of measures such as total confinement of the population, as discussed by the commentator Víctor Mendes:

Decretar estado de emergência e encerramento de todo funcionalismo público é o que venho falando há uma semana. Fechar para evitar o mal maior.

Inglaterra e Estados Unidos entram em lockdown brevemente. Foi esse o erro que a Itália cometeu.

Mas nós estamos perante um grande dilema. Sim ou não?

O nosso governo nunca se preparou para um cenário como este. Não fechar poderemos também pagar muito caro e com aquilo que não tem preço. Vida.

Decreeing a state of emergency and closure of all civil service is what I have been talking about for a week. Closure to avoid the greater evil.

The UK and United States will enter lockdown soon. That’s the mistake Italy made.

But we are facing a great dilemma. Yes or no?

Our government has never prepared for a scenario like this. We may also pay dearly for not closing and with what is priceless. Life

Terça-feira, 31 de março de 2020

Terça-feira, 31 de março de 2020



Cuomo pede ajuda e aumenta número de mortos em NY » O governador de Nova York, Andrew Cuomo, faz um apelo urgente a voluntários médicos, à medida que as mortes em seu estado continuam aumentando.

CUOMO: Estou perguntando aos profissionais de saúde de todo o país. Se você não tiver uma crise de saúde em sua comunidade, venha nos ajudar em Nova York agora.

Seu apelo chega quando o número de mortos em Nova York ultrapassou 1.200 na segunda-feira – com a maioria das vítimas em Nova York Cidade.

Cuomo também expressou sua gratidão quando um navio-hospital da Marinha com 1.000 leitos chegou a um porto de Manhattan ontem. Ele disse que é como adicionar outro hospital na cidade.

Enquanto isso, outras grandes cidades têm visto um aumento nos casos de coronavírus, incluindo Chicago, Detroit e Nova Orleans. O senador da Louisiana Bill Cassidy alertou esta semana que os hospitais estão quase na capacidade. As autoridades agora estão transformando o centro de convenções de Nova Orleans em um centro de recuperação de coronavírus. E saúde trabalhadores estão sentindo a tensão também.

Thomas Krajewski é um médico de pronto-socorro nos arredores de Nova Orleans. Ele viu muitos pacientes entrarem no hospital esperando melhorar …

KRAJEWSKI: E, em vez disso, pioraram enquanto estiveram no hospital. E, de fato, muitos deles já faleceram de uma maneira que é … [chokes up] isso não é normal.

Louisiana tem uma ordem de permanência em casa. E nesta semana, Virginia, Maryland e Washington DC também emitiram pedidos de estadia em casa. O governador da Flórida, Ron DeSantis, emitiu na segunda-feira uma ordem de permanência em casa na parte sul de seu estado.

Varejistas distribuem centenas de milhares de trabalhadores » Macy, Kohl e The Gap anunciaram folgas na segunda-feira que impactarão coletivamente centenas de milhares de trabalhadores.

A Macy’s deixará de pagar 125.000 funcionários nesta semana, depois de fechar temporariamente mais de 600 lojas no início deste mês. A Kohl’s fornecerá 85.000 funcionários. E um porta-voz da Gap disse que suas licenças afetarão cerca de 80.000 pessoas.

Alguns funcionários da Amazon e Instacart saem » Enquanto isso, alguns funcionários de armazém da Instacart e da Amazon caminhou segunda-feira, exigindo medidas de segurança mais fortes contra o coronavírus. Kristen Flavin do mundo tem mais.

KRISTEN FLAVIN, RELATÓRIO: As greves de um dia não tiveram muito impacto sobre os consumidores, mas chamaram a atenção para as crescentes preocupações dos trabalhadores nas linhas de frente – atendendo às necessidades de milhões que agora trabalham em casa.

E um grupo de trabalhadores para funcionários da Whole Foods está pedindo uma cotação nacional“Doente” amanhã.

O serviço de entrega de compras on-line Instacart e a Amazon dizem que estão trabalhando para equipar seus funcionários com equipamentos sanitários e tomaram medidas para aumentar os salários e prolongar o tempo de doença pago. A Instacart também descreveu as mudanças em seu sistema de gorjetas, mas os grevistas disseram que era tarde demais. Alguns estão exigindo pagamento de risco.

Porém, as desistências organizadas podem não ganhar muita força com tantas pessoas se candidatando a novos empregos, pois as demissões aumentam em restaurantes, varejo, hospitalidade e outras indústrias. Quase 3,3 milhões de americanos solicitaram subsídios de desemprego na semana passada.

Reportando para o WORLD, eu sou Kristen Flavin.

O cantor country Joe Diffie morre de complicações por coronavírus » O cantor country Joe Diffie morreu de complicações por coronavírus. Ele anunciou na sexta-feira que havia testado positivo para COVID-19.

Diffie teve uma série de hits na década de 1990, incluindo “Home” e “Pickup Man”.

MÚSICA: [Pickup Man]

Diffie, natural de Tulsa, Oklahoma, foi membro do Grand Ole Opry por mais de 25 anos. Seus outros sucessos incluem “Honky Tonk Attitude”, “Me apoie ao lado da jukebox (se eu morrer)” e “Maior que os Beatles”. Joe Diffie tinha 61 anos.


(AP Photo / Kathy Willens) O governador de Nova York Andrew Cuomo, à esquerda, gesticula durante uma breve entrevista coletiva, ao lado de um contra-almirante John B. Mustin como USNS Comfort, um navio hospitalar naval com capacidade para 1.000 leitos, chega ao Pier 90 segunda-feira, 30 de março de 2020, em Nova York.

George Galloway desmantela ‘grande mito’ de solidariedade da UE, enquanto Itália é deixada ‘abandonada’ | Mundo | Notícia

George Galloway desmantela 'grande mito' de solidariedade da UE, enquanto Itália é deixada 'abandonada' | Mundo | Notícia


A União Européia foi criticada por sua resposta à pandemia de coronavírus, apesar de promover a “solidariedade da UE”. O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, no início desta semana, acusou os Estados membros de serem lentos em ajudar o país durante a crise da saúde. O ex-deputado trabalhista George Galloway revelou como isso significava que os valores de cooperação e ajuda do sindicato eram afinal um “grande mito”.

Ele continuou: “Está claro que as fronteiras internacionais existem afinal.

“O presidente francês Emmanuel Macron iria fechar o seu com a Grã-Bretanha, a menos que Boris Johnson mudasse sua orientação política.

“Bem, ele pode estar certo ou errado sobre isso.

“Mas lembre-se disso, 50% quase todos os alimentos britânicos vêm do exterior, e grande parte através dos portos da França.”

Galloway também falou sobre a resposta “lenta” do Reino Unido ao surto de COVID-19.

Ele disse: “Está claro que o governo britânico de Boris Johnson tem uma política que não é nem peixe nem galinha.

“Tem uma política que não é uma coisa nem outra.

“De qualquer forma, já era tarde demais.

“Pelo menos 10 dias, talvez 14 dias tarde demais para ser implementado.”

Notícias da manhã de sexta-feira – 27 de março de 2020

Notícias da manhã de sexta-feira - 27 de março de 2020



Casa aprova projeto de lei de alívio à medida que o desemprego aumenta » Espera-se que os parlamentares na Câmara enviem hoje o pacote de resgate econômico de US $ 2 trilhões do Senado à mesa do presidente. A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse a repórteres na quinta-feira…

PELOSI: Amanhã, levaremos a conta ao plenário. Vai passar. Passará com forte apoio bipartidário.

E o alívio não pode chegar em breve para milhões de americanos. Por pouco 3,3 milhões pessoas solicitaram subsídios de desemprego na semana passada. Isso é quase cinco vezes o recorde anterior estabelecido em 1982.

Em meio a temores e bloqueios de coronavírus, a receita caiu em muitas empresas.

Stephanie Myers é uma garçonete que trabalhava em dois empregos para sobreviver. Ela perdeu os dois ao mesmo tempo.

MYERS: Eu tenho me saído muito bem e finalmente acabei chorando, porque você tem que pensar sobre o que está nessa conta bancária, como vai começar a pagar as contas.

À medida que as perdas de empregos aumentam, alguns economistas dizem que a taxa de desemprego do país pode se aproximar de 13% até maio. Em comparação, a maior taxa de desemprego durante a Grande Recessão, que terminou em 2009, foi de 10%.

Ainda assim, Wall Street estava otimista na quinta-feira de que a lei de alívio dos coronavírus pelo menos amenizaria o golpe no curto prazo. As ações dispararam, com a Dow subindo 1.300 pontos. Isso é quase um ganho de seis por cento e meio – encerrando sua segunda melhor corrida de três dias sempre.

Casos mundiais de coronavírus ultrapassam 500.000, mais de 1.000 mortes nos EUA » Mais de 500.000 pessoas testaram positivo para o coronavírus em todo o mundo. A Itália registrou 6.000 novos casos na quinta-feira, elevando o total global acima da marca de meio milhão. A Itália agora tem mais de 80.000 casos. São quase tantos quanto a China, que viu sua taxa de infecção cair drasticamente.

Mas enquanto o vírus originalmente se espalhou da China, os viajantes infectados têm trazido novos casos de volta para dentro o país. Para evitar isso, o governo está proibindo temporariamente a maioria dos estrangeiros de entrar na China – começando à meia-noite.

Anthony Fauci, do Instituto Nacional de Saúde, disse que os médicos chineses estão alertando outros países para que levantem restrições de viagem muito cedo.

FAUCI: E eles queriam nos alertar que, quando obtivermos sucesso, verifique com muito cuidado como vai liberar as restrições de entrada.

No momento, muitos outros países estão preocupados com americano Viajantes. Os Estados Unidos agora têm a dúbia distinção de liderar o mundo em casos confirmados de coronavírus – cerca de 82.000 na quinta-feira. E o país passou por um marco sombrio, já que mais de mil pessoas já morreram nos Estados Unidos.

Autoridades de saúde: Nova Orleans pode ser o próximo epicentro do coronavírus » A cidade de Nova York continua a enfrentar uma crise crescente como epicentro dos EUA do coronavírus.

Mas as autoridades alertam que outra grande cidade dos EUA pode ser a Próximo ponto crítico – Nova Orleans.

Joshua Denson trabalha na unidade de terapia intensiva do Tulane Medical Center e disse que os hospitais estão se enchendo rapidamente.

DENSON: Quanto aos receios de que possa ser o próximo epicentro, acho que – infelizmente, meio que acho que estamos lá. Temos um grande número de casos que chegam diariamente.

O governador da Louisiana, John Bel Edwards, disse nesta semana que seu estado, particularmente a região de Nova Orleans, está em uma trajetória assustadora.

BEL EDWARDS: Nas últimas duas semanas, nossa taxa de crescimento foi mais rápida do que em qualquer estado ou país do mundo.

Na quinta-feira, o governador disse que a Louisiana agora está empatada com Nova Jersey pelo segundo lugar em casos per capita no país. Ele também relatou mais de 500 casos noticiosos e 18 novas mortes, incluindo uma de 17 anos. No total, mais de 2.300 pessoas testaram positivo no estado e 83 pessoas morreram.

O Dr. F. Brobson Lutz Jr é ex-diretor de saúde de Nova Orleans e especialista em doenças infecciosas. Ele disse – citação – “Tudo se resume ao Mardi Gras.” Ele chamou de “a incubadora perfeita no momento perfeito”.

As celebrações do Mardi Gras ocorreram há um mês, antes da proibição de grandes reuniões públicas.

Indianápolis 500 adiada » Outro grande evento esportivo será adiado devido à pandemia de coronavírus. Sarah Schweinsberg do mundo tem essa história.

SARAH SCHWEINSBERG, RELATOR: Pela primeira vez em 75 anos, o Indianapolis 500 não está programado para ser executado no fim de semana do Memorial Day.

Roger Penske é o proprietário da IndyCar e do Indianapolis Motor Speedway. Ele disse na quinta-feira “como nossos fãs, estou desapontado que tivemos que remarcar”, mas acrescentou que “a saúde e a segurança de nossos participantes e espectadores do evento é nossa principal prioridade”.

A corrida está marcada para 23 de agosto – três meses depois da data prevista para 24 de maio.

Ocasionalmente, causou ligeiros atrasos na corrida ao longo dos anos. Mas a última vez que não foi agendada para o fim de semana do Memorial Day foi em 1945, durante a Segunda Guerra Mundial.

Reportando para o WORLD, sou Sarah Schweinsberg.

EUA indicam Maduro na Venezuela, outros sob acusações de narcoterrorismo » O procurador-geral William Barr anunciou na quinta-feira várias acusações de narcoterrorismo contra o disputado presidente venezuelano Nicolás Maduro e membros de seu círculo íntimo.

BARR: A acusação de Nicolas Maduro e seus co-réus alega uma conspiração envolvendo uma organização terrorista extremamente violenta conhecida como Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia, as FARC, em um esforço para inundar os Estados Unidos com cocaína.

O Departamento de Justiça anulou acusações contra 14 funcionários e indivíduos ligados ao governo e recompensas de US $ 55 milhões contra Maduro e quatro outros.

Geoffrey Berman é o advogado dos EUA no distrito sul de Nova York. Ele disse que membros do regime de Maduro cometeram claramente atos criminosos.

BERMAN: O alcance e a magnitude do narcotráfico alegado só foram possíveis porque Maduro e outros corromperam as instituições da Venezuela e forneceram proteção política e militar para os crimes de narcoterrorismo desenfreados descritos nas acusações.

Os chefes de estado sentados normalmente gozam de imunidade contra a acusação. Mas o governo dos EUA e muitos outros países dizem que Maduro fraudou a última eleição e não é o líder legítimo do país.


(Foto AP / Kathy Willens) Usando uma máscara de respirador e luvas de plástico como precaução contra o novo coronavírus, o comprador Mohammed Litton verifica sua lista de compras no supermercado Al-Bakara, no bairro de Brooklyn em Nova York, quinta-feira, 26 de março de 2020.

O Zimbábue pode lidar com o coronavírus em meio a um sistema de saúde em colapso? · Vozes globais

O Zimbábue pode lidar com o coronavírus em meio a um sistema de saúde em colapso? · Vozes globais


Um profissional de saúde aponta os poucos remédios que ele deixou em suas lojas em um centro de saúde, em Masowe, Zimbábue, em 22 de abril de 2009. Foto de Kate Holt / AusAID via Wikimedia Commons CC BY 2.0.

Como o governo do Zimbábue confirma a primeira vítima do COVID-19 no país, muitos zimbabuanos questionam a capacidade do país para lidar com uma pandemia de saúde pública dessa magnitude.

O frágil sistema de saúde do país, combinado com seu fraco histórico de acesso à Internet, coloca os cidadãos em alerta máximo – e já está sofrendo.

Zororo Makamba, 30, sucumbiu a complicações do coronavírus na manhã de segunda-feira, 23 de março de 2020, no Hospital de Doenças Infecciosas Harare Wilkins, onde foi internado após apresentar sintomas.

Makamba era popularmente conhecido por sua série de vídeos explicativos, “State of the Nation with Zororo”. Ele era filho de um empresário de destaque, James Makamba.

Mutumwa escreveu no Twitter, “vamos fazer uma pausa e refletir”:

Zororo é o segundo caso de coronavírus relatado pelo Ministro da Saúde e Assistência à Criança Obadiah Moyo na semana passada.

Moyo anunciou o primeiro caso confirmado era um cidadão britânico que reside nas Cataratas Vitória. O homem de 38 anos viajou para Manchester, Inglaterra, em 7 de março e voltou para o Zimbábue, em 15 de março, de Manchester, via África do Sul.

Na chegada, o paciente entrou em quarentena sob o conselho de Moyo, de acordo com o The Chronicle. No entanto, depois de desenvolver “problemas respiratórios graves”, ele foi internado no Hospital Wilkins, onde obteve resultado positivo para o vírus.

Com dois casos confirmados em 26 de março, segundo a OMS, os zimbabweanos não têm escolha a não ser se preparar para um possível desastre.

O Zimbábue pode lidar com o coronavírus?

Na quarta-feira, médicos e enfermeiros do Zimbábue entraram em greve para protestar contra a falta de equipamentos de proteção individual (EPIs) necessários para tratar pacientes com o vírus altamente contagioso.

Mesmo antes da crise do coronavírus chegar ao Zimbábue, seu sistema de saúde estava em colapso e as famílias deveriam fornecer suas próprias luvas e água potável para tratamento básico em unidades de saúde, segundo a revista Time.

Médicos e enfermeiros só voltaram ao trabalho em janeiro após uma greve de quatro meses para exigir salários mais altos e melhorar as condições de trabalho, segundo a Time.

O presidente Emmerson Mnangagwa divulgou na semana passada um anúncio proibindo reuniões de mais de 100 pessoas, em um esforço para retardar a propagação do vírus. Mnangagwa também ordenou o fechamento de escolas, faculdades e universidades na terça-feira.

A usuária do Twitter Rashida Abbas Ferrrand perguntou por que não havia mais “discurso realista” sobre o COVID-19:

Thobekile Matimbe, uma defensora dos direitos humanos no Zimbábue, escreveu um post no Facebook em 23 de março, compartilhando suas preocupações sobre o estado de despreparo do Zimbábue:

Estou preocupado com o estado de despreparo em que nosso país se encontra. Um amigo meu que luta para salvar vidas no Reino Unido, enquanto corre o risco, diz que a Covid Beast é real. Vejo meus concidadãos negando que isso possa acontecer conosco. Ninguém está imune. As cidades e vilas estão fervilhando de vida. Negócios, como sempre. Que sinais precisamos? Pessoas estão morrendo. Estamos seriamente esperando que nos digam para ficar em casa.

Matimbe também levantou preocupações sobre o compartilhamento de informações básicas de saúde pública relacionadas ao COVID-19 devido à falta sistêmica de acesso à Internet e ao alto preço dos dados no Zimbábue, em 26 de março:

O acesso à informação é um direito fundamental. Isso significa que o acesso à Internet é mais crítico quando ficamos em casa. Eu me pergunto como nossas comunidades estão se saindo com todas as notícias do Covid-19. Quais são as estratégias que nossos governos implementaram para isso? Como todos podemos acessar a internet? Infelizmente, nas partes remotas do nosso país, alguns não têm noção dessa pandemia. O acesso digital é um componente fundamental do direito à informação. Uma amiga minha continua destacando que não pode abrir alguns desses vídeos informativos em circulação e está certa. O preço dos dados neste momento deve promover o acesso à informação.

O Fórum das ONGs de Direitos Humanos do Zimbábue, juntamente com a Associação dos Médicos de Direitos Humanos do Zimbábue (ZADHR) e os Advogados de Direitos Humanos do Zimbábue (ZLHR), emitiram uma declaração implorando esforços nacionais coordenados liderados pelo governo para fortalecer o sistema de saúde e vigilância por com foco em questões-chave.

Isso inclui detecção e mitigação precoces, capacitação do pessoal da saúde, descentralização e capacitação dos profissionais de saúde e acesso à informação, entre outras medidas mitigadoras.

A declaração diz:

Como sociedade civil, comprometemo-nos a ajudar e trabalhar com o governo no combate ao COVID 19, e imploramos a todos no Zimbábue que cumpram as diretrizes das autoridades sanitárias e nacionais no interesse de nossa saúde e nos interesses coletivos de nossa nação. Tanto quanto possível, devemos impulsionar a prevenção enquanto nos preparamos para o pior.



Putin usa coronavírus para adiar votação crucial sobre ele permanecer no poder | Mundo | Notícia

Putin usa coronavírus para adiar votação crucial sobre ele permanecer no poder | Mundo | Notícia


Ele disse que a votação do público, que antes deveria ocorrer em 22 de abril, seria adiada para uma “data posterior”. As mudanças propostas incluem a suspensão da proibição de permitir que Putin concorra a um novo cargo. Depende se Putin, que cumpre seu quarto mandato presidencial e domina a política russa há duas décadas, tem o direito de cumprir mais dois mandatos consecutivos.

Putin prometeu que isso era um adiamento, não um cancelamento.

Embora os críticos considerem a votação uma maneira grosseira de garantir que Putin permaneça no poder, o Kremlin está entusiasmado com o fato de o processo parecer legítimo e ser percebido como a escolha do povo.

O atraso, no entanto, significa que as autoridades de todo o país podem finalmente se concentrar na clara prioridade, enfrentando uma pandemia e não conseguindo um voto para Putin.

Na quarta-feira, a Rússia confirmou 163 novos casos, elevando o total para 658. Até agora ninguém morreu com o vírus, disseram autoridades.

Putin disse: “A prioridade absoluta para nós é a saúde, a vida e a segurança das pessoas.

“Portanto, acredito que a votação deve ser adiada para uma data posterior”.

O presidente russo disse que o momento da votação dependerá do desenvolvimento da nova pandemia de coronavírus.

Ele também anunciou que os russos não trabalhariam na próxima semana “para diminuir a velocidade” da infecção.

Inscreva-se para garantir seu apoio agora aos nossos bravos heróis do NHS – LINK

Denis Protsenko, médico-chefe do principal hospital de Moscou que trata pacientes com COVID-19, ecoou o sentimento do prefeito e depois disse a Putin que a Rússia precisava “se preparar para o cenário italiano”.

Putin alertou que era impossível impedir a propagação do vírus na Rússia devido ao tamanho do país.

Mas o número de casos confirmados agora está subindo na Rússia, como em qualquer outro lugar.

A economia russa também está sob forte pressão por causa do vírus, disse Putin.

Durante a semana de folga devido à pandemia de coronavírus, os funcionários continuarão sendo pagos e os principais serviços continuarão, disse ele.

Ele também anunciou um amplo apoio social, inclusive para famílias com crianças e pessoas que perderam o emprego.

A Rússia já tomou medidas como uma quarentena de duas semanas para pessoas que chegam do exterior.

O país também impôs o fechamento de escolas e deu avisos para que os idosos de Moscou se auto-isolassem.

Azerbaijão sinaliza bloqueio e repressão na luta contra o coronavírus · Global Voices em Português

Azerbaijão sinaliza bloqueio e repressão na luta contra o coronavírus · Global Voices em Português


“Como reduzir o risco de infecção por coronavírus”, lê este cartaz de informações públicas em um café quase vazio em Baku, capital do Azerbaijão. Captura de tela do vídeo da BBC News Azərbaycanca 18 de março Vídeo do YouTube “Bakıda koronavirus məhdudiyyətlərilə bağlı vəziyyət belədir”

Confira a cobertura especial da Global Voices sobre o impacto global do COVID-19.

Como de costume, os azerbaijanos estavam ansiosos pelo festival Nowruz, que é comemorado de 20 a 21 de março. Mas este ano foi diferente; as ruas estão silenciosas e as celebrações foram canceladas. Cidadãos com mais de 65 anos são proibidos de deixar suas casas. As autoridades adiaram todos os eventos públicos, incluindo casamentos, até novo aviso. As escolas estão fechadas até 20 de abril. As ruas da cidade ficaram assustadoramente vazias.

Uma rápida expansão

A pandemia de coronavírus se espalhou para o sul do Cáucaso; No momento da redação deste artigo, de acordo com o mapa da Universidade Johns Hopkins, existem 72 casos confirmados do vírus no Azerbaijão. Embora o Azerbaijão tenha confirmado seu primeiro caso em 28 de fevereiro, o de um cidadão russo que havia viajado do Irã para o Azerbaijão, havia sugestões de possíveis casos no país vários dias antes. A Bielorrússia também relatou seu primeiro caso naquele dia: um estudante iraniano que viajou para a Bielorrússia do Azerbaijão em 22 de fevereiro foi diagnosticado com o vírus. Em 27 de fevereiro, a vizinha Geórgia confirmou que um cidadão georgiano havia sido infectado pelo vírus depois de viajar pelo Irã do Azerbaijão vários dias antes (as autoridades alfandegárias do Azerbaijão alegaram que o visitante não apresentava nenhum sintoma ao atravessar a fronteira).

A maioria desses casos está relacionada a viagens ao Irã, vizinho do sul do Azerbaijão, que foi gravemente atingido pela pandemia. O Irã, que enfrenta um dos maiores surtos fora da China, registrou seus primeiros casos em 19 de fevereiro – mas o Azerbaijão levou dez dias para fechar suas fronteiras com o Irã, o último país a fazê-lo. Esse atraso já provocou fortes críticas ao governo.

As autoridades tentaram colocar as chegadas do Irã em quarentena bastante cedo, mas surgiram escândalos sobre as condições. Em 27 de fevereiro, um grupo de pacientes compartilhou vídeos nas mídias sociais do hospital em que foram confinados após a passagem do Irã. Seus quartos não tinham lençóis, sabão e água. Pouco depois, o chefe do hospital foi demitido. No dia seguinte, mais vídeos apareceram online atestando o mau estado dos hospitais centrais nas regiões de Astara e Jalabad, onde as pessoas que chegaram do Irã estavam em quarentena. Quando um grupo de pacientes tentou sair, o hospital foi cercado pela polícia das forças especiais, enquanto um porta-voz do estado disse à Rádio Azadliq, serviço do RFE / RL do Azerbaijão, que as condições internas estavam boas e que os pacientes estavam simplesmente agindo. Em 29 de fevereiro, o Azerbaijão finalmente fechou sua fronteira com o Irã.

No entanto, os casos continuaram a aumentar. Em 5 de março, um cidadão alemão e dois azerbaijanos foram diagnosticados com o coronavírus após retornar do Irã; 276 cidadãos do Azerbaijão evacuados do Irã foram colocados em quarentena. Baku fechou suas fronteiras com a Geórgia e a Rússia em 13 e 16 de março. O país lamentou sua primeira morte em 12 de março: um homem do Azerbaijão com uma doença auto-imune morreu enquanto procurava tratamento médico para o coronavírus no Irã.

Aproveitando ao máximo um bloqueio

Como seus vizinhos, o Azerbaijão está agora fechado. E as restrições vão muito além das proibições de celebrar Nowruz. Uma sede especial no Conselho de Ministros tem a tarefa de punir aqueles que espalham desinformação e alertar aqueles que impedem o trabalho dos serviços médicos. Em 17 de março, os municípios começaram a reduzir o transporte público e a restringir as viagens interurbanas.

Nesse mesmo dia, a Assembléia Nacional, o parlamento do Azerbaijão, aprovou uma legislação que restringe as punições por violar o regime de emergência. As alterações ao código criminal agora prevêem até três anos de prisão ou uma multa de 2.500-5.000 Manat (US $ 1.500-3.000) por violar as regras da epidemia ou por ajudar na disseminação da doença. Emendas ao código administrativo agora significam que cidadãos comuns que violam as regras básicas podem ser multados em 100-200 Manat (US $ 60-120), enquanto os funcionários enfrentam multas de 1.500-2.000 Manat (US $ 900-1200). Novas emendas à lei da informação também reforçam as restrições à “informação falsa que pode prejudicar a vida ou a saúde dos cidadãos”.

Em muitas dessas medidas, a resposta do Azerbaijão não é tão diferente de outros estados. Por exemplo, em seu discurso televisionado em todo o país em 18 de março, a chanceler alemã Angela Merkel disse que essa pandemia era o maior desafio desde a Segunda Guerra Mundial. Ela pediu aos alemães que reconheçam a gravidade da situação e façam sua parte para ajudar a desacelerar a propagação do vírus.

Mas a 3.700 quilômetros de distância em Baku, o tom da resposta do líder do Azerbaijão era bastante diferente.

Em 19 de março, o Presidente Ilham Aliyev, falou ao povo do Azerbaijão, comemorando a chegada da primavera e explicando as razões do cancelamento de eventos públicos. Então, ele mudou para uma mensagem diferente:

[…] Vemos provocações abertas. De onde vêm essas provocações? Desde a quinta coluna, dos inimigos que estão entre nós, os elementos que se chamam oposição, os traidores que recebem dinheiro do exterior. Seu principal objetivo é destruir o Azerbaijão. Quanto pior para o Azerbaijão, melhor para eles. Olhe para os endereços deles nas redes sociais, eles estão cheios de ódio e provocação. Eles parecem querer que motins aconteçam. Eles querem turbulência. Eles querem pânico. E então eles afirmam que se importam com o povo do Azerbaijão. Eles são nossos inimigos, e devemos declarar isso abertamente. Não se sabe o que esta doença levará. Portanto, durante a existência da doença, as regras de relacionamentos completamente novos serão aplicadas. Que todos saibam disso. É possível que um estado de emergência seja declarado em algum momento. Nesse caso, o isolamento de representantes da quinta coluna se tornará uma necessidade histórica […] Mas não podemos permitir que as forças anti-azerbaijanas, a quinta coluna e os traidores nacionais se aproveitem dessa situação para cometer várias provocações. Que todos saibam disso.

Este discurso não foi muito diferente do discurso que o presidente Aliyev proferiu em 14 de março, na primeira sessão da recém-eleita Assembléia Nacional:

Não é segredo que a situação pública e política no Azerbaijão é atualmente muito estável. Não existe um fator único em nosso país que possa representar uma ameaça à estabilidade pública e política. É por isso que as forças anti-azerbaijanas estão tentando criar esses fatores fora do nosso país. Eles não confiam mais no grupo que se chama oposição aqui e, supostamente, continuam a operar em uma posição absolutamente vergonhosa. E não há mais confiança para eles. Portanto, está em andamento o trabalho para criar uma nova quinta coluna, porque a quinta coluna atual não justifica a confiança de seus proprietários […] Portanto, uma nova quinta coluna está sendo procurada. A esse respeito, quero advertir estritamente todas as forças políticas: esse é um caminho de traição. Quem seguir esse caminho cometerá traição contra o povo e o Estado. Portanto, todos os nossos problemas internos devem ser resolvidos no Azerbaijão. Não devemos exportar nossos problemas domésticos ou discórdia política. Antes de tudo, é absolutamente inútil, porque hoje não existe força que possa nos impor qualquer solução ou ditar qualquer coisa para nós. Não existe essa força por aí e enquanto eu for presidente, não haverá. Portanto, é absolutamente inútil. Tentativas de exercer pressão sobre o Azerbaijão ou nos ameaçar com sanções são completamente sem sentido. Isso é um crime contra o Estado, não contra o governo, e não deixe ninguém esquecer isso.

Esses discursos intrigaram os observadores. Quem era “todo mundo” que precisa saber? Mais importante: quem era “a quinta coluna”? Originou-se durante a Guerra Civil Espanhola e refere-se a um grupo de pessoas cuja intenção é minar um grupo maior ou uma nação de dentro, por qualquer meio à sua disposição.

Este termo é tradicionalmente usado no Azerbaijão por representantes do governo quando se refere a seus oponentes políticos. Em dezembro de 2014, o então chefe de gabinete do presidente Ramiz Mehdiyev publicou sessentamanifesto da página intitulado “A Ordem Mundial dos Padrões Duplos e o Azerbaijão Moderno” alegando que os defensores dos direitos humanos do Azerbaijão eram uma “quinta coluna” dos Estados Unidos. Em 2015, o vice-chefe da Administração Presidencial Novruz Mamedov reiterou uma teoria de que a Fundação Nacional para a Democracia era o ator principal no apoio à “quinta coluna” no Azerbaijão.

Os dois homens acabaram sendo demitidos de seus postos, mas essa visão de mundo persiste.

A exposição de Mehdiyev ocorreu no momento de uma repressão sem precedentes contra ativistas da sociedade civil do Azerbaijão e o desligamento da Rádio Azadliq. Muitos jornalistas, defensores de direitos humanos e ativistas políticos foram presos sob acusações questionáveis ​​de porte de drogas e sentenciados a longos períodos de prisão. Atualmente, existem preocupações entre os ativistas da oposição de que uma nova repressão à oposição do Azerbaijão é iminente. Com os novos poderes de emergência para conter a pandemia de coronavírus, os ativistas do medo, o governo do presidente Aliyev pode ter uma oportunidade perfeita para reforçar ainda mais o controle.

Houve algumas indicações disso. Em 8 de março, o grupo de oposição D18 foi obrigado a desocupar seus escritórios devido a uma suposta ameaça de coronavírus. Em 11 de março, Fuad Ismayilov, um ativista que foi detido enquanto fazia slogans de protesto perto dos escritórios da Comissão Eleitoral Central do Azerbaijão, teve sua permissão recusada para falar com seu advogado. As autoridades citaram o coronavírus como o motivo. Em 23 de março, Tofiq Yagublu, um dos principais membros do partido Musavat da oposição, foi condenado à prisão. Após o julgamento, a filha de Yagublu observou que “Ilham Aliyev está enchendo as prisões”, enquanto outros governos libertam presos devido à ameaça do coronavírus.

Como Arif Mammadov, um ex-diplomata do Azerbaijão, escreveu no Facebook:

Enquanto isso, os azerbaijanos estão perguntando se seu sistema de saúde está pronto para lidar com uma pandemia total. Em um vox pop em 28 de janeiro, a Azadliq Radio perguntou aos nacionais do Azerbaijão se os hospitais do país estavam realmente prontos. Um morador de Baku acreditava que o vírus não chegaria ao Azerbaijão, enquanto muitos outros expressaram dúvidas de que as autoridades aguentariam.

Infelizmente, como o resto do mundo, o Azerbaijão em breve terá a chance de descobrir.

Terremoto na Croácia corre o risco de interromper o bloqueio parcial em meio ao surto de COVID-19 · Global Voices

Terremoto na Croácia corre o risco de interromper o bloqueio parcial em meio ao surto de COVID-19 · Global Voices


Danos em Zagreb após o terremoto de 22 de março de 2020. Foto do Governo da República da Croácia, usada com permissão.

Uma série de tremores atingiu a capital croata, Zagreb, na manhã de domingo, 22 de março, deixando pelo menos 27 pessoas feridas, uma criticamente e danos generalizados a prédios antigos no centro histórico.

O epicentro foi registrado a sete quilômetros ao norte de Zagreb, Magnitude 5,3 na escala de Richter.

Durante os tremores, restos de fachadas, lajes de telhas caíam na calçada e achatavam carros. Os moradores locais imediatamente fugiram de suas casas com medo de tremores secundários.

Os rumores de que outro terremoto mais forte foi iminente provocaram pânico na população. Mas nos dois dias após o primeiro terremoto, esse tremor não aconteceu. Foram registrados cerca de 60 pequenos tremores na área de Zagreb, com o último atingindo 3,2 graus na Escala de Richter na noite de 23 de março. Nenhum dano adicional foi relatado devido a esses tremores secundários menores pela publicação desta história.

O terremoto ocorreu em um momento muito infeliz, já que as autoridades recentemente impuseram medidas drásticas para conter o surto de COVID-19.

As medidas incluem o fechamento de todos os negócios não essenciais, a proibição de todas as reuniões públicas, incluindo cerimônias religiosas e o fechamento de todas as fronteiras terrestres. As autoridades também estão solicitando que as pessoas fiquem em casa o máximo possível.

“O pânico não é nosso aliado no momento”, disse o primeiro-ministro croata Ivo Plenković em uma entrevista coletiva no domingo transmitida pela Al Jazeera no Facebook.

Ines Ivančić, MSc, chefe do Serviço Sismológico, com o primeiro-ministro croata Andrej Plenković na conferência de imprensa em 22 de março de 2020. Foto: captura de tela do webcast da Al Jazeera.

As autoridades aconselharam os cidadãos que haviam saído de suas casas e aguardavam tremores secundários para manter distância um do outro e combater o desejo natural de se amontoar ou se reunir em grupos.

Falando após o presidente na conferência de imprensa, o principal sismólogo croata Ines Ivančić disse que é impossível prever se haverá outro tremor ou não. Ela disse que a possibilidade de tremores secundários não pode ser descartada e que eles podem ocorrer dentro de horas, dias ou semanas.

Essas declarações confirmaram uma mensagem do Serviço Sismológico da Universidade de Zagreb, chefiada por Ivančić, que twittou de manhã:

Não podemos prever terremotos, e qualquer informação de que um terremoto mais forte seja iminente não é verdadeira! A probabilidade de um tremor mais forte existe, mas é extremamente pequena. Podemos esperar tremores ainda mais fracos. Não temos eletricidade em nosso escritório e fazemos todo o possível para fornecer informações oportunas e precisas para você.

As autoridades observaram que monitorariam a situação, com base em avaliações científicas, e emitiram recomendações sobre como proceder. Eles reforçaram as advertências contra o pânico, que se mostrou prejudicial em situações semelhantes recentes na região dos Balcãs.

A maior parte dos danos foi sustentada por prédios antigos, que abundam em Zagreb, pois a cidade foi poupada em grande parte da devastação causada por guerras e terremotos sofrida por outras capitais dos Balcãs durante o tumultuado século 20. O último tremor de magnitude semelhante a atingir a cidade foi há 140 anos, o terremoto do Grande Zagreb de 1880.

Na mesma coletiva de imprensa de 22 de março, o prefeito de Zagreb, Milan Bandić, disse que 80% da população agora vive em edifícios feitos de concreto armado, considerados seguros para terremotos de certa magnitude. Ele aconselhou os cidadãos que moravam em tais edifícios a voltar para casa e praticar o auto-isolamento para impedir a propagação do novo coronavírus.

Os 20% restantes dos cidadãos que vivem em prédios ou casas construídas antes da década de 1960 continuam em risco. As autoridades enviaram equipes de especialistas para avaliar se esses residentes são seguros para voltar para casa.

Acomodações e refeições para até 1.500 pessoas são fornecidas em um dormitório estudantil da universidade de Zagreb, e cerca de 60 cidadãos cujas casas foram consideradas inseguras passaram a noite lá.

Os danos materiais são consideráveis. Uma das torres da icônica Catedral de Zagreb, construída no final do século XIII, sofreu danos, além de grande parte da infraestrutura da cidade, com partes da cidade perdendo o acesso à eletricidade, água e aquecimento.

As usinas de gás da cidade pediram que os cidadãos fechassem suas válvulas para minimizar o risco de explosões de gás natural devido a canos perfurados.

Alguns desses edifícios mais antigos e danificados abrigam instituições públicas, incluindo hospitais. Imagens de mães e bebês evacuados na rua em frente à maternidade do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia se tornaram virais na Internet dos Balcãs. Todas as vítimas foram rapidamente transferidas para outros hospitais.

Maternidade de Petrova [street] Hospital.

Alguns meios de comunicação relataram inicialmente que um garoto de 15 anos havia morrido devido aos ferimentos, citando um oficial de saúde responsável pelo Instituto de Medicina de Emergência, mas o diretor do Hospital Infantil de Zagreb, Goran Roić, esclareceu que o relatório era impreciso.

Ele disse que a vítima era, de fato, uma garota e que ela não havia morrido, mas permaneceu em estado crítico. Segundo seus pais, ela foi atingida na cabeça por um objeto caindo durante o terremoto.

O exército croata, a Cruz Vermelha e outros voluntários foram rapidamente enviados para ajudar a população nas áreas afetadas, que também sofriam com o frio. A Europa experimentou uma queda repentina de temperatura, que causou queda de neve em grande parte dos Bálcãs.

Equipes de intervenção da Cruz Vermelha visitam cidadãos no centro de Zagreb, no centro e nas áreas vizinhas, distribuindo cobertores. Se você notar alguém precisando de ajuda, ligue para nós e também não hesite em ajudar você mesmo.

O governo da vizinha Eslovênia também foi o primeiro a oferecer assistência, seguido por funcionários da União Europeia.

As autoridades eslovenas também foram rápidas em anunciar que o terremoto não havia afetado a usina nuclear de Krško, localizada perto da fronteira com a Croácia, e a cerca de 50 quilômetros de Zagreb e o epicentro do terremoto.



“Não apenas uma cidade sendo trancada, mas também nossas vozes” · Global Voices

"Não apenas uma cidade sendo trancada, mas também nossas vozes" · Global Voices


Pessoas alinhadas em uma farmácia em Wuhan (crédito da foto: Guo Jing)

Wuhan, na China, epicentro e origem do COVID-19, está trancada pelo governo chinês desde 23 de janeiro de 2020. A cidade abriga 11 milhões de pessoas e, durante o surto, cerca de 6 milhões de pessoas foram colocadas em quarentena e aproximadamente 5 milhões deixaram a cidade durante um feriado.

Muitas pessoas Wuhan começaram a manter diários durante o bloqueio, mas retratos negativos da vida cotidiana em Wuhan são frequentemente sujeitos a censura no Weibo, a popular plataforma de mídia social da China.No WeChat, outra plataforma popular de mídia social, os diários circulam principalmente entre amigos .

No entanto, Ai Xiaoming, cineasta independente e estudiosa feminista e ativista feminista Guo Jing, compartilharam seus diários no Matters News, que refletem vividamente as emoções entre as pessoas comuns durante o repentino confinamento.

O controle da China sobre a pandemia foi descrito como uma “vitória” ou “sucesso” pelas autoridades chinesas e pela Organização Mundial da Saúde, mas a vida das pessoas comuns sob tais medidas de controle e vigilância de cima para baixo não deve ser ignorada – como as pessoas são atomizadas e reduzido a um coletivo, como Guo Jing descreveu em seu diário.

Desde 8 de dezembro, com o caso-índice, as autoridades chinesas insistiram que o surto epidêmico estava sob controle e, em 20 de janeiro, admitiu a transmissão humano a humano do vírus.Os diários de Ai e Guo expressam como os residentes de Wuhan foram mantidos no país. escuro e despreparado quando o governo proclamou o bloqueio da cidade.

O Global Voices publicará os diários de Ai e Guo de Wuhan em uma série. As seguintes palavras foram escritas na primeira semana do bloqueio entre 23 e 28 de janeiro de 2020.

Guo Jing: 23 de janeiro de 2020

Eu era uma pessoa calma e calma: até 20 de janeiro, havia mais de cem novos casos em Wuhan, e casos em outras províncias e cidades começaram a se sentir sobrecarregados. Obviamente, as informações anunciadas anteriormente foram ocultadas. Também a partir desse dia, o número de pessoas usando máscaras nas ruas de Wuhan disparou, muitas máscaras médicas foram vendidas e muitas pessoas estão comprando remédios para resfriados.

Hoje em dia, estou ansioso: de acordo com as informações atualizadas de vários lugares, a maioria dos diagnósticos confirmados passou por Wuhan antes do dia 15. Wuhan tem o maior número de estudantes universitários do mundo e meados de janeiro é o momento de férias na universidade. Agora é o Festival da Primavera, a estação deve ter muita gente. No entanto, a Estação Ferroviária Wuhan não é estritamente regulamentada. Eu não vou para casa para o Festival da Primavera, então é mais seguro ficar onde estou. Hoje acordei cedo para ver as notícias do fechamento da cidade e não consegui prever o que significava, quanto tempo seria fechado e que preparativos fazer.

Meus amigos me pediram para estocar rapidamente. Eu não queria sair. Vi que X ainda era o primeiro a fazer um pedido, mas estava preocupado que a entrega parasse a qualquer momento. Também saí com vontade de olhar para a situação lá fora, basicamente havia meia-idade e idosos, e os jovens eram relativamente poucos. Quando cheguei a um supermercado próximo, muitas pessoas estavam fazendo fila para pagar as contas. Quase não havia comida que salvasse a vida no macarrão de arroz. Apenas peguei um pouco durante o pânico. Há um homem que vende muito sal, algumas pessoas dizem que você compra tanto sal pelo que ele disse isso uma a uma por ano.

Depois de terminar a comida, eu ainda estava em choque. Hoje há cada vez menos veículos e pedestres na estrada, e uma cidade simplesmente parou de repente. Quando voltará à vida?

Sou uma pessoa calma, mas comecei a sentir pânico em 20 de janeiro, quando tínhamos mais de 100 casos confirmados em Wuhan, e quando casos confirmados continuavam surgindo em outras cidades e províncias. É óbvio que a propagação dessa doença infecciosa O número de pessoas usando máscaras aumentou dramaticamente desde aquele dia, e as máscaras médicas foram vendidas e muitas também estão comprando remédios para resfriados.

Estou ansioso por vários dias.Com base na atualização, a maioria dos casos confirmados em outros lugares havia visitado Wuhan antes de 15 de janeiro. Wuhan é a cidade com o maior número de estudantes universitários do mundo e o feriado da universidade começou em meados de Jan. Recentemente, muitas pessoas estão indo para casa no Ano Novo Chinês, por isso deve haver muitas pessoas nas estações de trem.No entanto, a estação de trem em Wuhan não foi monitorada com cuidado.Eu não planejava ir para casa no Novo Chinês Ano. Deve ser mais seguro ficar onde estou. Hoje de manhã vi o anúncio do bloqueio da cidade e fiquei em pânico. Não sei as implicações desse bloqueio e quanto tempo esse bloqueio será, e não sei o que eu tenho que preparar.

Meus amigos me pediram para estocar algumas necessidades. No começo, eu não queria sair, então fiz alguns pedidos on-line. No entanto, eu estava preocupado que esses serviços de entrega fossem interrompidos a qualquer momento. Eu também queria ver o que aconteceu lá fora, então saí. A maioria das pessoas lá fora era de meia idade ou mais, e havia poucos jovens. Quando fui ao supermercado nas proximidades, vi muitas pessoas alinhadas nas caixas registradoras. Não havia muito alimento de sobrevivência , como arroz e macarrão. Fiquei chocado e rapidamente peguei um pouco. Um homem comprou muito sal. Alguém perguntou a ele o que fazer com essa quantidade de sal. Ele disse para o caso de o bloqueio durar um ano.

Depois que comprei um pouco de comida, fiquei em choque: há cada vez menos carros e pedestres nas ruas. Uma cidade é fechada repentinamente. Quando estará vivo de novo?

Ai Xioming: 24 de janeiro de 2020

Na noite de Ano Novo hoje à noite, Wuhan está sem precedentes de frio. Era o dia do ano novo chinês e as refeições de inúmeras famílias na véspera de Ano Novo foram canceladas. Ontem, quando vi a foto de Fengcheng, havia soldados e policiais armados do lado de ferro e viajantes desamparados do outro lado. A narração é um sotaque Wuhan, dizendo: Veja, a Estação Hankou foi fechada pela primeira vez em um século. Ouvir o coração das pessoas não pode deixar de sentir que a história atinge um ponto.

Eu moro no distrito de Jiangxia, a cerca de quarenta quilômetros da estação Hankou … Posso imaginar a ansiedade dos viajantes que não podiam voltar para casa há um ano. O governo decidiu fechar a cidade da noite para o dia: onde eles moram e como comemorar o ano novo?

Acho que quem tem poder tem uma síndrome de boas notícias, ou seja, não importa se é verdade ou não, apenas ouça as boas novas e crie uma se não. Você tem que dizer que não é verdade, ele pode trabalhar duro com você.

Você sabe do que estou falando, o pequeno morcego, os legumes cozidos, as fotos e os vídeos estão por toda parte; mas o elefante na sala está vagando, essa é a barreira mágica que não pode ser quebrada.

Esta é a véspera de Ano Novo chinês. Wuhan nunca esteve tão quieto. Hoje deve ser o dia em que as famílias podem se reunir. Inúmeros jantares de família foram cancelados. Vi as fotos da cidade trancadas ontem: o pessoal militar e os a polícia estava de um lado e os viajantes decepcionantes do outro lado. Fora da câmera, alguém disse com o sotaque de Wuhan: “Veja, a estação de Hankou foi trancada pela primeira vez em centenas de anos”. Algo no meu coração foi apertado de repente, como se a campainha de um momento histórico tivesse tocado.

Eu moro no distrito de Jiangxia e fica a cerca de 40 quilômetros da estação de Hankou … Eu podia imaginar a ansiedade daqueles viajantes que são proibidos de voltar para casa antes do Ano Novo Chinês. O que eles devem fazer? O governo trancou a cidade durante a noite Onde eles podem encontrar um lugar para ficar? O que eles podem fazer neste ano novo chinês?

Eu acho que essas pessoas poderosas têm “síndrome das boas notícias”: aconteça o que acontecer, elas só querem ouvir boas notícias e não se importam se essas boas notícias são verdadeiras ou falsas. Se não houver nenhuma, elas farão uma. dizem que isso não é verdade, eles lutarão até a morte por isso.

Você sabe do que estou falando. Aquele morcego, essa sopa de morcego. As fotos e vídeos dele circulam amplamente. No entanto, o elefante na sala ainda está andando vagarosamente. Esse é o mal que ninguém ousa apontar .

Logo após o bloqueio em Wuhan, um vídeo viralizou nas mídias sociais chinesas.Um grande número de meios de comunicação na China sugeriu que os comedores de morcegos chineses haviam causado o problema.No entanto, o morcego não era uma cozinha em Wuhan. revelou que o vídeo foi filmado em uma ilha do Pacífico.

Foto da sopa viral de morcegos capturada em um vídeo viral sugerindo que os comedores chineses de morcegos devem ser responsabilizados pela epidemia.

Guo Jing: 24 de janeiro de 2020

O mundo está terrivelmente quieto.

Eu moro sozinho e às vezes ouço a voz no corredor para ter certeza de que há outras.

Eu tenho muito tempo para pensar em como vivo. Não tenho nenhum recurso ou contato no sistema, se ficar doente, serei incapaz de ser tratado como muitas pessoas comuns. Portanto, um dos meus objetivos é evitar ficar doente o máximo possível e quero continuar me exercitando.

Atualmente, o governo não disse por quanto tempo a cidade ficará fechada, nem nos dirá como garantir o funcionamento da cidade após o fechamento da cidade. Algumas pessoas previram que a cidade pode ser fechada até maio, de acordo com o número de pessoas atualmente perturbadoras.

Nesta guerra, a maioria dos indivíduos só pode confiar em si mesmos sem garantia institucional. Sou relativamente jovem e é difícil imaginar como os indivíduos mais vulneráveis, como os idosos que vivem sozinhos, os deficientes etc., vencerão essa batalha.

O mundo está incrivelmente quieto.
Eu moro sozinho, só sinto que existe alguém no mundo comigo quando ouço alguns sons de pessoas no mesmo prédio.

Tenho muito tempo pensando em como sobreviver. Não tenho nenhum recurso ou rede social no sistema organizado. Se estivesse doente, teria [be] como aqueles que não puderam receber tratamento médico.Portanto, um dos meus objetivos é ficar longe de qualquer doença.Eu devo continuar treinando meu corpo.

O governo não anunciou exatamente quanto tempo esse bloqueio será, e eles não nos disseram como essa cidade continuará funcionando depois do bloqueio.Algumas pessoas disseram que o bloqueio pode durar até maio, com base no número atual de casos confirmados.

Nesta guerra, a maioria de nós só pode confiar em nós mesmos. Não temos proteção contra o sistema. Sou relativamente jovem. É difícil imaginar como essas pessoas desvantajosas, como as pessoas idosas que moram sozinhas e com quem incapacidades, poderia sobreviver a esta guerra.

Guo Jing: 25 de janeiro de 2020

Comecei a controlar a quantidade de comida quando cozinho nos últimos dois dias.A quantidade de comida para cada refogado é metade do normal.Espero não viver tão rápido com apenas picles.

Vídeo com alguns amigos enquanto comem, não podemos escapar do tema da pneumonia, de fato, as pessoas em todos os lugares são mais ou menos afetadas.

A suspeita de doença pode ser o maior obstáculo psicológico agora. Quando assoei o nariz pela manhã, fiquei chocado ao ver sangue. O medo da doença depois de jogar fora o tecido estava em minha mente.

Comecei a controlar a quantidade de vegetais quando fazia minhas refeições nesses dois dias.Em comparação com o que costumava cozinhar, só cozinho metade da quantidade de vegetais agora.Espero que não precisarei comer vegetais em conserva tão cedo.

Quando eu estava comendo, conversei em vídeo em grupo com alguns amigos.Não podíamos escapar do tópico da Wuhan Pneumonia.De fato, pessoas de toda a China são mais ou menos influenciadas por isso.

A suspeita de infecção pode ser o estresse psicológico mais grave que eu tenho agora. Fiquei chocado quando espirrei e vi um pouco de sangue na manhã seguinte. Depois que joguei fora esse lenço de papel, não conseguia parar de pensar na possibilidade de ficar doente.

Guo Jing: 26 de janeiro de 2020

Não são apenas as cidades que estão sendo bloqueadas, mas as vozes das pessoas.

Quando twitei minhas anotações no primeiro dia, as imagens não puderam ser carregadas e o texto não pôde ser enviado.Eu tive que converter o texto em imagens. Ontem, não consegui distribuir o texto em imagens no círculo de amigos. Depois de postá-lo no Weibo, ficou obviamente restrito. Em 24 de janeiro, havia quase 5.000 republicações no Weibo, em comparação com 45 republicações no Weibo ontem. Por um momento me perguntei se não escrevia bem. A censura e as restrições da Internet não são novas hoje, mas neste momento parece ainda mais cruel. Muitas pessoas na cidade ficam presas em casa, contamos com a Internet para obter informações e manter contato com familiares e amigos, para que não precisemos ser ilhas realmente isoladas.

Aqui não é apenas uma cidade trancada, mas também nossas vozes.

Não consegui enviar as fotos quando tentei enviar meu diário para o Weibo no dia 1. Também não pude enviar o texto.Eu preciso transformar o texto em fotos para enviá-las. Ontem, não pude enviar essas fotos convertidas de o texto para o círculo dos meus amigos. Depois que publiquei no Weibo, é óbvio que a quantidade de visualizações foi restrita. Meu artigo foi encaminhado por quase 5.000 pessoas em Weibo em 24 de janeiro, mas meu outro artigo foi encaminhado por apenas 45 pessoas ontem no Weibo. Em algum momento, pensei que talvez não tivesse escrito bem. Hoje não é o primeiro dia em que temos monitoramento e restrição da Internet, mas essas medidas se tornam muito mais cruéis do que nunca neste momento. Muita gente está restrita para ficar em casa, e precisamos da internet para coletar informações e manter a conexão com nossa família e amigos, caso contrário, seremos uma ilha isolada, isolada do mundo.

Wuhanstreet

Em algum lugar de Wuhan durante o confinamento Crédito da foto: Guo Jing.

Guo Jin: 28 de janeiro de 2020

A cidade inteira estava envolta em uma atmosfera pesada, eu tinha inconscientemente o cuidado de estar nela e não ousava me comunicar com os outros à vontade. O bloqueio coloca a vida das pessoas em um estado atômico e perde o contato com outras pessoas.

No entanto, as pessoas não estão dispostas a estar presentes. Por volta das oito horas da noite passada, um grito soou do lado de fora da janela, e todos abriram uma janela e gritaram “Wuhan, vamos lá”. Esse grito coletivo é uma forma de auto-capacitação, a partir da qual as pessoas buscam conexões e ganham força.

Toda a cidade está encoberta pela atmosfera pesada. Como um membro da cidade, não posso deixar de me tornar cada vez mais cuidadoso. Não ouso falar com os outros. O bloqueio transforma nossas vidas em status atômico, perdendo a conexão com No entanto, por volta das 20 horas, havia pessoas gritando do lado de fora da minha janela. Muitas pessoas abriram suas janelas e gritaram: “Continue andando, Wuhan” Essa ação é uma espécie de auto pessoas tentam encontrar conexão com outras pessoas e tentam encontrar poder gritando juntas.

Desde 27 de janeiro, os moradores de Wuhan cantam “Wuhan add oil” por volta das 20h. Uma prática semelhante aconteceu durante os protestos anti-extradição do ano passado em Hong Kong, quando os apoiadores do protesto gritaram “Hong Kong add oil” todas as noites às 22h.

Abaixo está um vídeo do South China Morning Post sobre os moradores de Wuhan “gritando” à noite:

Quinta-feira de manhã – 19 de março de 2020

Quinta-feira de manhã - 19 de março de 2020



Trump anuncia poderes de emergência » Na quarta-feira, o presidente Trump invocou novos poderes de emergência em meio à pandemia de coronavírus.

TRUMP: Iremos invocar a Lei de Produtos de Defesa, caso precisemos. Acho que todos sabem o que é e, se precisarmos, pode fazer muitas coisas boas.

A lei remonta a 1950, durante a Guerra da Coréia. Dá ao presidente autoridade para obrigar as indústrias a expandir a produção e produzir materiais vitais.

A medida confere à administração novos poderes para potencialmente superar a escassez de máscaras, ventiladores e outros suprimentos, enquanto os profissionais de saúde se preparam para um ataque de casos.

E falando na Casa Branca, o presidente anunciou mais medidas de alívio.

TRUMP: O Departamento de Habitação e Desenvolvimento Urbano está prestando socorro imediato a locatários e proprietários ao suspender todas as execuções hipotecárias e despejos até o final de abril.

Ele também disse que seu governo está expandindo a capacidade de teste do país. E os militares estão enviando um navio-hospital da Marinha para a cidade de Nova York, que está rapidamente se tornando um epicentro da pandemia. Outro navio-hospital atracará em algum lugar da costa oeste.

Rep. Diaz-Balart dos EUA testa positivo para COVID-19 » O congressista da Flórida Mario Diaz-Balart anunciou na quarta-feira que havia contraído o coronavírus. O legislador republicano de 58 anos é o primeiro membro do Congresso a dar positivo para o COVID-19.

Mas logo depois, o congressista democrata de 45 anos de idade, Ben McAdams, de Utah, anunciou que também testou positivo.

Ambos os parlamentares disseram que estão em quarentena e pediram a todos os americanos que sigam as orientações do CDC para permanecerem seguros e evitar a propagação do vírus.

Canadá e EUA fecham fronteira com tráfego não essencial » Os Estados Unidos e o Canadá concordaram na quarta-feira em fechar temporariamente sua fronteira compartilhada com viagens não essenciais.

O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau fez o anúncio.

TRUDEAU: Os viajantes não poderão mais atravessar a fronteira para recreação e turismo. Nos dois países, incentivamos as pessoas a ficar em casa. Estamos dizendo aos nossos cidadãos para não visitarem seus vizinhos se eles não precisarem.

No entanto, o comércio e outro tráfego através da fronteira considerado essencial continuarão.

O presidente Trump disse na quarta-feira que seu governo também está preparado para retornar imediatamente ao México todas as pessoas apanhadas cruzando ilegalmente a fronteira sul.

Montadoras, varejistas fechando » As principais montadoras estão cessando as operações nas fábricas dos EUA. Relatórios do mundo Leigh Jones.

LEIGH JONES, REPORTADOR: A Ford e a General Motors disseram que fecharão todas as suas fábricas nos Estados Unidos, Canadá e México. A Fiat Chrysler fará o mesmo.

As paralisações ocariam cerca de 150.000 trabalhadores, que provavelmente receberão remuneração adicional, além de benefícios de desemprego.

E o maior operador de shopping centers da América está trancando as portas em seus centros de varejo em todo o país. O Simon Property Group começou a fechar seus shoppings ontem à noite. Isso ocorre depois que vários varejistas anunciaram que estão encerrando temporariamente. Entre eles, Macy, J.C. Penney, Nordstrom, The Gap e Apple Stores.

Reportando para o WORLD, sou Leigh Jones.

Senado aprova pacote de ajuda da Câmara e continua trabalhando em ajuda adicional » O presidente Trump assinou um pacote de ajuda de cerca de US $ 100 bilhões para coronavírus na quarta-feira. Ele assinou o documento poucas horas depois de o Senado aprovar o projeto de lei, com uma votação de 90 a 8. A Câmara aprovou o pacote bipartidário na semana passada.

O senador democrata Chris Coons disse que o projeto fará várias coisas para ajudar os americanos afetados pelo coronavírus. Ele fornece testes gratuitos, suprimentos emergenciais de alimentos e…

COONS: Licença de emergência paga para trabalhadores de empresas com menos de 500 funcionários por duas semanas de licença médica e até 10 semanas de licença médica e familiar adicional paga.

Mas isso coloca um fardo oneroso para as pequenas empresas quando a maioria está recebendo menos ou nenhuma renda. Com isso em mente, os senadores dizem que estão trabalhando para conseguir dinheiro nas mãos de indivíduos e pequenas empresas rapidamente.

O senador Marco Rubio preside o Comitê de Pequenas Empresas e Empreendedorismo. Na quarta-feira, ele disse que os planos agora em cima da mesa forneceriam empréstimos garantidos pelo governo federal a muitas pequenas empresas projetadas para ajudar a cobrir despesas críticas por cerca de seis semanas. E ele disse que esses empréstimos seriam perdoados, basicamente se tornando doações, desde que os fundos sejam usados ​​para manter a folha de pagamento e manter as luzes acesas. Rubio disse que a medida conterá salvaguardas contra fraudes e abusos …

RUBIO: Mas ouça, a esmagadora maioria das pessoas que vão procurá-las vai usá-la para fins de pagamento a seus funcionários e manter seu aluguel, arrendamento ou hipoteca atualizados, para que não sejam despejados, porque se não fizermos isso, também se espalhará no mercado imobiliário.

O preço estimado desse programa de empréstimo é de US $ 300 bilhões. Seria parte do que os senadores estão chamando de “fase 3” do pacote de alívio de coronavírus a um custo de até um trilhão de dólares.

O líder da maioria Mitch McConnell prometeu manter o Senado em sessão até naquela a conta é aprovada.

Funcionário de saúde chinês: medicamento japonês contra gripe é eficaz no tratamento de coronavírus » Um alto funcionário da saúde na China diz que um medicamento japonês usado para tratar novas cepas da gripe parece ser eficaz no tratamento de pacientes com COVID-19. Kristen Flavin, do MUNDO, relata.

KRISTEN FLAVIN, RELATÓRIO: Zhang Zinmin é o diretor do Centro Nacional de Desenvolvimento de Biotecnologia. Em uma entrevista coletiva, ele disse que as autoridades são encorajadas pelos resultados de dois ensaios clínicos com o medicamento anti-gripe japonês Avigan.

Ele disse que os ensaios mostraram que os pacientes que tomaram o Avigan tiveram um resultado negativo para o coronavírus após uma mediana de quatro dias – em comparação com uma mediana de 11 dias sem a doença.

Os pesquisadores também descobriram que o medicamento melhorou as condições pulmonares para a maioria dos pacientes.

Zinmin disse que o medicamento é seguro e recomenda formalmente o tratamento de pacientes com o coronavírus.

Uma empresa chinesa obteve aprovação do governo no mês passado para começar a produzir o medicamento em massa.

Reportando para o WORLD, eu sou Kristen Flavin.


(AP Photo / Alex Brandon) O presidente Donald Trump ouve enquanto outros falam sobre o coronavírus na sala do gabinete da Casa Branca durante uma reunião com representantes de enfermeiras americanas, quarta-feira, 18 de março de 2020, em Washington.